Siderações

Hoje começamos a ler uma série de textos simbolistas que foram  usados em uma prova elaborada por mim para o  Ensino  Médio.  O  texto  de hoje é Siderações,  do  poeta Cruz e Sousa. A  questão era a seguinte: “O poema de Cruz e Sousa destaca estímulos sensoriais que trazem sugestões cromáticas. Explique que estímulos são esses e por que reforçam a ideia de espiritualidade, característica do Simbolismo.”

Siderações

Cruz e Sousa

 

Para as Estrelas de cristais gelados
As ânsias e os desejos vão subindo,
Galgando azuis e siderais noivados
De nuvens brancas a amplidão  vestindo…

Num  cortejo de cânticos alados
Os arcanjos,  as cítaras ferindo,
Passam, das vestes nos troféus prateados,
As asas de ouro finamente abrindo…

Dos etéreos turíbulos de neve
Claro incenso aromal, límpido e leve,
Ondas nevoentas de  Visões levanta…

E as ânsias e os desejos infinitos
Vão com os arcanjos formulando ritos
Da Eternidade que nos  Astros canta…

Vocabulário:

Alado: dotado de  asas.

Aromal: aromático.

Cântico: canto religioso

Cítara: instrumento de  cordas parecido com a lira.

Cortejo: procissão.

Etéreo: sublime.

Galgar: elevar-se,  subir.

Rito: prática realizada durante cerimônias religiosas.

Sideração: influência de  um astro na vida de alguém.

Sideral: relativo aos astros.

Turíbulo: vaso em que se queima incenso nas missas.

 

 

 Nesse soneto, encontramos  elementos que trazem  sugestões cromáticas (relativas às cores). Esses estímulos aparecem  nos  versos “galgando azuis e siderais noivados”, “passam das vestes anos  troféus prateados”, “as asas de ouro finamente abrindo…”. A sinestesia – figura de linguagem caracterizada pela mistura de estímulos sensoriais – predomina no  texto simbolista.

Uma das características mais  marcantes do  Simbolismo era a utilização  de vocabulário religioso, como  pode ser observado pelo uso dos vocábulos “cânticos”, “arcanjos”, “incensos”, “eternidade”, que remetem à religiosidade católica e combinam  com o desejo  de vida sublime presente nos textos simbolistas.

A sonoridade  é um recurso estilístico importante na obra simbolista. O  poeta utiliza figuras de construção como a aliteração para dar musicalidade ao texto. Note-se a intensa repetição do  fonema sibilante /s/:  “Para as estrelas de cristais gelados / as ânsias e os  desejos”

Andréa Motta

Professora de Língua Portuguesa e Literatura no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro. Professora voluntária de Língua Portuguesa e Redação no Pré-vestibular Comunitário Padre José Maurício Nunes Garcia.