Pronomes antes ou depois ? – a pergunta do leitor

Pronominais
Oswald de  Andrade

Dê-me um cigarro
Diz  a  gramática
Do professor e do aluno
E do mulato sabido
Mas o bom negro e  o bom branco
Da Nação Brasileira
Dizem  todos  os  dias
Deixa disso  camarada
Me dá  um cigarro.

 

Oswald de Andrade  escreveu   o texto  “Pronominais “ na década de  20, durante o auge do movimento modernista   brasileiro. Um dos  objetivos do movimento era   demonstrar o quão distante  a língua  oral estava  da  norma  culta, assim  como a língua   falada no  Brasil já  estava  distante daquela  falada em  Portugal.  Este texto  é   um  dos mais  usados nos livros  didáticos quando  o assunto  é  colocação  pronominal. Nesta semana, recebi de leitores  do   Conversa de  Português duas  perguntas referentes a este assunto; sendo assim,  responderei  ambas  em uma série   de  dois artigos, a fim de que o texto  não fique  excessivamente longo.

Quando  falamos em  colocação pronominal, referimo-nos à  posição dos pronomes  pessoais na  frase e estes estão divididos em  dois  grupos, que  nos interessam : retos (eu, tu , ele, nós, vós, eles) e oblíquos átonos (me, nos,  te,  vos, se, o, a , lhe). Os  primeiros exercem a  função de  sujeito  da frase enquanto os demais  são usados  como complementos  dos  verbos.  Dependendo  da organização dos enunciados, estes pronomes  podem  ocupar três  posições  na  frase:

 

Próclise. Pronome  antes do verbo. Exemplo:  Amanhã  te verei  no trabalho.
Mesóclise. Pronome no meio  do  verbo. Exemplo:  Ver-te-ei  amanhã no  trabalho.
Ênclise. Pronome  depois do   verbo. Exemplo: Vejo-te no  trabalho.
A dúvida  enviada pelos  leitores  é  exatamente  esta: quando  cada  colocação desta deve  ser  seguida? Há duas  orientações  práticas que não  devem ser  esquecidas:
1) Não  se inicia, principalmente na língua  escrita,  oração  com pronome  átono. Exemplo :  Dirigiu-se ao garçom,  pediu-lhe o menu, fez-lhe o pedido.
2) O   uso  da próclise é sempre  correto, desde que antes do  verbo, não  haja   pausa (silêncio na  fala; pontuação, na  escrita).  Exemplo: Quem  lhe deu meu telefone?
Há construções , no entanto, que  obrigam  o uso destas colocações . Vejamos…
Quando a próclise (pronome antes do verbo) é obrigatória? Quando  for antecedido por um dos   tipo de  palavras  a seguir:
  • palavras  negativas de qualquer  classe gramatical (não, nunca,   nem, ninguém, jamais etc) : Nunca nos falamos.
  • advérbios ( lá, aqui,  ali,  hoje,  ontem , talvez,  muito etc):  Hoje  te vi   na praça.
  • pronomes  relativos (que, qual, onde etc): Aceite a  sugestão que lhe dei.
  • pronomes indefinidos (alguém,  tudo, nada, algum etc): Alguém me procurou?
  • pronomes demonstrativos (isso, esse, aquele, aquilo etc) : Isso te pertence?
Quando  a  próclise é opcional?
  • Quando o verbo não iniciar oração ( uma  frase que   contém  verbo) e não  houver  palavra  que   force o uso da próclise. Exemplo: O povo se organizou.  / O povo  organizou-se.
  • Com preposição ou palavra  negativa acompanhada de  verbo no infinitivo. Exemplo: Ele voltou  para  nos ajudar  / Voltou  para ajudar-nos.  Espero não o atrapalhar / Espero não atrapalhá-lo.
Eu havia  decidido  publicar as  perguntas dos leitores apenas  em artigos semanais; no entanto, contrariando a  minha expectativa (graças  a  Deus!), eu já tenho   um bom número de  perguntas a  serem respondidas. Amanhã, dia  23 de  novembro,  publicarei  o  restante da  explicação sobre colocação  pronominal.
Como enviar  perguntas sobre língua  portuguesa para este blog? Preencha o formulário  de contato , forneça um endereço de email  válido e faça a sua pergunta. Assim  que  o artigo com  a  resposta ficar pronto e for  publicado, eu enviarei  uma mensagem com o link para o texto.

5 comentários em “Pronomes antes ou depois ? – a pergunta do leitor

  1. olá professora, gostaria de saber qual a frase correta: A chuva não a atrapalhou, ou A chuva não lhe atrapalhou, o pronome a ser utilizado é o LHE ou o A?

    1. Luiz, como você pode ter observado no texto, LHE e A exercem a função de complementos verbais. São objetos diretos os pronomes átonos O, A, OS e AS ; os outros pronomes átonos exercem a função de objetos indiretos. Deste modo, quem vai definir que pronome usar é a regência do verbo que você usar; no exemplo enviado por você, temos um verbo transitivo direto. A forma correta de sua frase é “A chave não a atrapalhou”.

  2. Sem sombra de dúvidas, este é um dos sites mais completos que já encontrei. Obrigada pela ajuda e continuem fazendo este trabalho tão maravilhoso.

Deixe uma resposta