Literatura na corda

Os  leitores do Conversa de Português já devem ter notado que eu ando um pouco sumida. Isso tem acontecido por três motivos: o mestrado, a  organização da semana acadêmica da instituição onde trabalho e a renovação de um projeto de iniciação científica desenvolvido sob minha orientação desde julho de 2012. É sobre esse projeto que será o  post  de hoje.

O projeto Literatura de cordel como patrimônio cultural: a produção fluminense do século XXI foi  iniciado em 2012. O  objetivo  geral era  estudar a literatura de cordel como patrimônio cultural. De acordo com  documentos da UNESCO, entende-se por patrimônio cultural  o conjunto de bens, materiais ou imateriais, que, pelo seu valor, podem ser considerados relevantes para a permanência e identidade de um povo; deste modo, podem ser considerados patrimônios bens como igrejas, casas, obras de arte, costumes, técnicas e lugares. No Brasil, as referências a esse tipo de patrimônio (material ou imaterial) aparecem  em documentos  como a Constituição Federal de 1988 e no  Decreto Nº 3.551, de 4 de agosto  de 2000, que instituiu a criação do  Programa Nacional do Patrimônio Imaterial.

Um dos frutos de nossa pesquisa foi  o  blog Literatura na corda. Ele será  utilizado  para a divulgação de ações relacionadas ao projeto,  cuja segunda fase começou oficialmente em  1 de agosto. Assim,  convido os  leitores a conhecerem  o   novo   blog, que será escrito por  mim e por  minha orientanda Sabrina Veloso. Não  precisam ficar preocupados: eu  não vou  abandonar o  Conversa de Português; eu  apenas precisava colocar a “casa nova” em  ordem.

LCORDA

 

 

 

 

Andréa Motta

Professora de Língua Portuguesa e Literatura no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro. Professora voluntária de Língua Portuguesa e Redação no Pré-vestibular Comunitário Padre José Maurício Nunes Garcia.