UERJ 2016 – Questões comentadas: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira

 O  exame  discursivo  do vestibular  da Universidade do Estado do Rio de  Janeiro (UERJ 2017)  acontecerá no  próximo domingo, 11 de  dezembro. Neste texto, comentaremos as  questões de 01 a 04 da prova de Língua Portuguesa e Literatura  Brasileira aplicada em  2015. Assim como na  série  ENEM – Questões comentadas, apresentarei  a questão, o  padrão oficial de  resposta, meu  comentário e  um  link com  texto  para aprofundamento do assunto.

 

im_1im_2im_3QUESTÃO 1

No  conto,   o  narrador  faz referência a duas  etapas distintas da  vida do  protagonista.

Nomeie essas duas etapas, na  ordem em  que elas  aparecem  no texto. Em seguida, transcreva a  frase que  explicita a distinção entre as duas etapas.

Padrão de resposta  oficial:

1 ª  etapa:  adolescência /  juventude.

2ª etapa:  infância /  meninice / pré-adolescência.

Frase: Houve um tempo em  que   Clarete se  chamava simplesmente  Clara.

Comentário:

Ao  ler o texto o  candidato deve perceber que  a narrativa apresenta  a  protagonista já atarefada por  compromissos de uma  moça  adolescente.

QUESTÃO 2

Considere, nas  passagens abaixo, as orações iniciadas por  preposição:

Olhou para  o céu, certificando-se de que   não  ia   chover(l.1)

Clarete também teve o  bom senso de não insistir. (l. 5)

Aponte o   valor  sintático  de  cada uma dessas  orações:

Padrão de resposta  oficial:

Valor sintático: objeto indireto /  oração subordinada substantiva  objetiva  indireta.

Valor  sintático:   complemento  nominal /  oração subordinada  substantiva completiva  nominal.

Comentário:

Esta  é  uma  questão de  nível médio e exige que  o  candidato  saiba o  que  são  orações  e preposições. A primeira  frase  é  formada  por um período composto em  que  a oração a ser analisada  é  “… de  que  não  ia  chover”. Ela   funciona  como  objeto  indireto do   verbo  certificar-se.

Na  segunda frase  – também formada por  um período composto –  o trecho analisado  é  “…de não insistir”,  que  funciona como  um complemento nominal de bom senso.

O candidato desatento  pode  se confundir  e  classificar  as  duas  orações  como  objetivas indiretas. Essa  confusão se dá, pois  objeto direto e complemento nominal são  termos   iniciados  por  preposição.  A  diferença  entre  os  dois  termos  da  oração é  o fato de  o primeiro ligar-se a  um verbo (daí, ser também chamado de  complemento  verbal) e  o  segundo,  a  substantivos,  adjetivos e  advérbios.

QUESTÃO 3

Rosas. Que  nome! Não lhe  entrava na  cabeça  que  uma pessoa pudesse se chamar  Rosas. Nem Rosas, nem  Flores. Que  esquisitice, já viu?

Arregalou  os  olhos fotogênicos.

— Que amor!

Uma senhora ocupava  o banco da frente, com um chapéu, rico, de feltro, enterrado até às sobrancelhas. (l.  15-20)

No trecho acima, o autor utiliza tanto o  discurso indireto  livre quanto o discurso direto.

Transcreva uma  frase  que  exemplifica o  emprego do discurso indireto  livre. Indique,  ainda, a cena desse mesmo trecho que  motivou  o  uso do discurso direto  pela personagem.

Padrão de resposta  oficial:

Uma das  frases:

  • Que  nome!
  • Nem  Rosas, nem  flores.
  • Que esquisitice, já se  viu?

Cena: a  visão do chapéu da  senhora no  banco da frente.

Comentário:

Para  resolver esta  questão, o   candidato  deverá  usar  seus   conhecimentos sobre  os  tipos de  discurso — direto,  indireto e  indireto livre — e as  características que os  diferem.

Link  para  estudo:

Tipos de  discurso

 

QUESTÃO 4

O texto   Felicidade  é  um exemplo de  prosa urbana modernista.  Observe:

O  rapaz da ponta, com  o Rio Esportivo  aberto nas  mãos e os  olhos  pregados  nela, sorriu  também. Clarete arrumou-lhe em  cima um olhar que  queria  dizer: idiota! e  o  rapaz zureta afundou  os  óculos de tartaruga na  entrevista do beque carioca sobre o   jogo contra os  paulistas.

Praia de  Botafogo. Meu Deus! Pendurou-se nervosamente na  campainha…(l. 24-28)

Com base neste  trecho, aponte duas  características da  prosa  urbana  modernista, sendo uma relacionada ao conteúdo e outra à linguagem.

Padrão de resposta  oficial:

Conteúdo:   a  vida  moderna /  a  vida na  cidade grande /  o  cotidiano  urbano.

Uma das  respostas  relacionadas  à  linguagem:

  • Uso de  expressões coloquiais /  linguagem  informal.
  • Frases curtas.

Comentário:

O tema  desta  questão  é a  linguagem  utilizada  na prosa  urbana  modernista.   Marques  Rebello é  um importante  escritor  da  segunda  geração modernista —  a  geração de  1930.   Seu  primeiro   livro  (Oscarina)  foi  publicado em  1931.  A  prosa da época seguia três vertentes:  regionalista,  urbana  ou  intimista.   A característica  linguística do  movimento era o  uso de  frases curtas e  expressões coloquiais.

Links  para   estudo:

Romance de  30

Romance de 30 no ENEM

 

Confira  a  análise da prova de  Língua Portuguesa Instrumental:

UERJ 2016 –  Língua  Portuguesa  Instrumental

Cadastre seu e-mail e receba GRATUITAMENTE os nossos textos! Não esqueça de checar sua caixa de entrada e ative sua assinatura!

Informe seu e-mail:

Entregue por FeedBurner

Gostou? Divulgue!

Andréa Motta

Professora de Língua Portuguesa e Literatura. Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro.