ENEM 2016 – Questões comentadas: Modernismo

O Modernismo foi  um  importante movimento artístico no  início do século XX. Quando  pensamos  sobre a  literatura  modernista, é necessário observar que  ele  não  corresponde a um só tipo de expressão, mas a  um conjunto de  ideias inspiradas no  Manifesto do Futurismo de 1917. As obras  modernistas são um tema  bastante  explorado nos  exames  vestibulares e também  apareceu  no  ENEM 2016.  Veja nosso comentário sobre  a  questão 119  do  caderno  cinza.

QUESTÃO 119

Antiode

Poesia, não será esse
o sentido em que
ainda te escrevo:
flor! (Te escrevo:
flor! Não uma
flor, nem aquela
flor-virtude — em
disfarçados urinóis).

Flor  é a  palavra
flor; verso inscrito
no verso, como as
manhãs no tempo.

Flor é o salto
da ave para o voo:
o salto fora do sono
quando teu tecido
se rompe; é uma explosão
posta a funcionar,
como uma máquina,
uma jarra de flores.

(MELO NETO, J.C. Psicologia da composição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997)

A poesia é  marcada pela recriação do  objeto por  meio da  linguagem, sem  necessariamente  explicá-lo. Nesse fragmento de  João Cabral de  Melo  Neto, poeta da geração de  1945, o  sujeito  lírico propõe a recriação poética de

(A) uma palavra, a partir de  imagens com as  quais ela  pode ser comparada, a fim de assumir  novos  significados.

(B) um urinol, uma referência às artes visuais  ligadas às vanguardas do início do século  XX.

(C) uma ave, que  compõe, com seus movimentos, uma  imagem historicamente ligada à palavra  poética.

(D) uma máquina, levando em  consideração a relevância do discurso técnico-científico  pós-Revolução Industrial.

(E) um tecido, visto  que sua composição depende de elementos intrínsecos ao eu  lírico.

Gabarito oficial: A

Comentário:

João  Cabral de  Melo  Neto  é um dos  principais  escritores da  Terceira Geração Modernista (ou  Geração de  45).  Como   já  explicamos em  outro  texto, esse grupo dedicou-se à pesquisa sobre a linguagem  literária e  à experimentação estética, embora  não tivesse  proposto  um novo movimento literário.

Um dos  recursos linguísticos  presentes  na  obra de  João Cabral  é a  metalinguagem,  função linguística por meio da qual explica-se  a própria  linguagem. É metalinguístico, por exemplo,  um texto  literário em que  se  demonstre   o  processo de  criação do autor;  é  o  que  acontece no poema  escolhido pela  banca do  Exame:  “Poesia, não será esse / o sentido em que / ainda te escrevo”.

Em uma  leitura  atenta,  observamos  que o   interlocutor do texto é a  poesia, com quem o escritor  — em  seu  processo criativo — conversa.  Para  conseguir  esse efeito,   utilizou-se de  uma  apóstrofe:  figura de  pensamento  caracterizada  pela  referência direta ao  interlocutor.

O poema de  João Cabral brinca com  uma das  características  do texto  literário: a liberdade de criação. Assim, o  autor propõe a ressignificação da palavra  flor. Embora   no trecho “flor é a palavra flor”, ele  tenha  avisado que  usaria  apenas  o  sentido denotativo, o  que  o  leitor  percebe ao  longo do texto é exatamente o   oposto: “flor é  o  salto  / da ave para o  voo”.

 Links  para estudo:

Modernismo

João Cabral de  Melo  Neto

Metalinguagem e  poesia

Simulado

Andréa Motta

Professora de Língua Portuguesa e Literatura no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro. Professora voluntária de Língua Portuguesa e Redação no Pré-vestibular Comunitário Padre José Maurício Nunes Garcia.