Dia a dia ou dia-a-dia?

“Dia a  dia ou  dia-a-dia?”: essa  foi a  pergunta enviada por alguém que respondeu  à pesquisa de público do Conversa de Português. O questionário ficará  disponível  até  amanhã, 31 de  julho, e um  dos  itens é um campo para o envio de sugestões, críticas e coisas  do tipo. O  meu leitor   aproveitou  e  me enviou  uma sugestão de  texto.  Eu resolvi  publicar logo e explico: antes da reforma ortográfica, muita  gente  tinha  essa dúvida; depois  da reforma, acho que ninguém  mais  sabe se  usa ou  não  o  hífen.

De  onde vem essa dúvida?

É simples:  antes da reforma  ortográfica – em  vigor no Brasil, oficialmente, desde  1 de janeiro de  2016, as  duas  formas (dia a diadia-a-dia) estavam corretas,  pois correspondiam a  significados  diferentes:  a primeira (sem  hífen) era advérbio  e  significava  diariamente, enquanto  a segunda era um substantivo e o significado  era cotidiano.  Observe os  exemplos anteriores à reforma:

Dia a dia,  enfrentamos problemas em   nossa  vida  profissional.  (advérbio: diariamente)

Esta  é  uma tarefa  que  realizamos  em nosso dia-a-dia. (substantivo: cotidiano)

 

O  que aconteceu a essa expressão após a reforma ortográfica?

Com  o  Novo  Acordo Ortográfico,  as  regras de  uso do hífen  foram  simplificadas e, como  consequência, a  expressão de  que  tratamos neste  texto perdeu  aquele  sinal gráfico; só  saberemos  se é um substantivo  ou  um advérbio pelo contexto.  Notem  que o Vocabulário Ortográfico da Língua  Portuguesa (foto no  alto da página) só registra como substantivo masculino.

O documento determina  que nas locuções de  qualquer  tipo, não se  emprega o hífen, salvo naquelas  cujo uso   já  é  consagrado:  água-de-colônia, arco-da-velha, cor-de-rosa, mais-que-perfeito, pé-de-meia.  Não se   usa hífen  nas seguintes  locuções:
a.  substantivas: cão de  guarda, fim de  semana, sala de  estar;
b. adjetivas: cor de  café com leite, cor de   vinho.
c. pronominais: quem quer  que  seja, cada  um, nós mesmos;
d. adverbiais: à parte (compare com  o  substantivo aparte), à  vontade, em cima, de mais (locução  que  se  opõe  a  de  menos; compare com demais);
e. prepositivas: abaixo de, acerca de,  a fim  de (diferente de afim), à  parte de, apesar de, debaixo de;
f. conjuncionais:  a fim de que, ao  passo  que, logo que, visto que.

Pela  nova regra – visto  que o termo analisado pode  ser  uma locução substantiva ou  adverbial –   os  nossos exemplos  ficam do seguinte  modo:

Dia a dia, enfrentamos problemas em   nossa  vida  profissional.  (advérbio)

Esta  é  uma tarefa  que  realizamos  em nosso dia a dia. (substantivo)

 

Você ainda não sabe o  que  mudou  com a  reforma  ortográfica? Assista ao nosso vídeo e BAIXE AQUI o nosso  material  exclusivo  sobre as mudanças  da  nossa  língua  portuguesa!

Se não conseguir visualizar, clique aqui.

Quer saber como enviar suas  perguntas também?  Acesse  nossa página  “Qual  é a dúvida?”.

Bibliografia:

ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS. Vocabulário Ortográfico da Língua  Portuguesa. 5.ed. São Paulo: Global,2009, p. LXXIX.

Andréa Motta

Professora de Língua Portuguesa e Literatura no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro. Professora voluntária de Língua Portuguesa e Redação no Pré-vestibular Comunitário Padre José Maurício Nunes Garcia.