[Sala de Aula] Você sabe fazer um fichamento?

Os  meus  leitores  mais assíduos sabem que atuo há anos  no  Ensino  Médio, embora   já tenha passado  um bom  tempo em  cursos de  graduação. Em 2016,  recebi  turmas  do primeiro e  do segundo anos do   EM e, em  uma delas, o  ensino de produção textual destaca dois gêneros:  o resumo e  o  fichamento.  Sobre o  primeiro,  foram   publicados alguns textos  aqui no  CP, mas  eu  ainda   não havia  feito  nenhum comentário acerca do  segundo.    Nesta edição da coluna Sala de Aula, mostrarei como  ensinei esse recurso aos meus alunos.

Na  turma do  primeiro ano, eu  combinei  esse gênero com  os  tópicos Expansão da língua  portuguesa e Formação do português brasileiro,  que  integram  o  programa de  estudos  dos  alunos  em  questão.  Como  material de  leitura,  eu  dei aos  alunos  o artigos intitulado “Das  esquadras de  Cabral aos  cinco continentes” e “O jeitinho brasileiro de  falar português”, ambos  publicados  pela Revista EntreLivros – Especial Línguas. Apesar  de serem  textos  publicados   há  bastante  tempo, eu  os  usei porque demonstram claramente como   a  expansão linguística resultou  da  expansão marítima e como as  línguas  indígenas e africanas interferiram  na  evolução de nosso  idioma. Como  complementação para a  leitura dos  artigos, os  alunos  também assistiram ao documentário “Língua: vidas em  português”, cujos protagonistas  são  moradores  dos  oito países onde   a  língua  portuguesa é a oficial e também brasileiros radicados no Japão. Na aula do dia 01 de junho, eu  mostrei  como  fichar os  dois  textos. Nosso trabalho deu-se com base em  três perguntas: Para que serve? O  que é?  Quais os elementos básicos?

Para que  serve um fichamento?

O fichamento é  uma maneira de armazenar informações  relevantes  acerca de  um material bibliográfico.  Ele  pode  conter um resumo da obra lida, citações, dados de publicação, onde  o  livro foi encontrado. Garcia (2010)  sugere até a  leitura do índice geral e do índice  remisso para se ter  uma ideia do conteúdo do livro (p. 346). Para que os alunos compreendem-se sua função, eu lancei a seguinte  pergunta: “O  que vocês fazem  quando vão à  biblioteca e descobrem que  o livro desejado não está disponível  para  empréstimo?”. Inicialmente, os meninos ficaram  parados  me  olhando, com uma carinha de quem nunca havia  pensado  nisso; depois, deram-me respostas  diversas. Um deles  disse  ficar  na biblioteca estudando o  tal livro. Perguntei  outra coisa: “Mas  e  se você não tiver tempo pra ficar lá o  dia todo? Que tal aprender  um dos jeitos de anotar as informações  mais importantes?”.

Quais são os tipos de  fichamento?

Existem  diferentes tipos de  fichamento. Veja  a  descrição de  alguns:

Catalogação bibliográfica: Aquele  tipo encontrado no  verso da  folha de rosto dos livros. Ela  indica os dados básicos da obra, código de  registro (ISBN), palavras-chave e código de  catalogação para a biblioteca.  Nas  bibliotecas,  também são usadas as  fichas de  assunto e  título de  obra. O  estudante pode  consultar  essa ficha e dela transcrever  algumas  informações  sobre a obra.

Clique na imagem para ampliar.

Clique na imagem para ampliar.

Citação: É o tipo de  fichamento em  que o estudante transcreve literalmente alguns  trechos do  texto original. A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) determina que a  transcrição direta de  até três  linhas deve ser colocada  entre  aspas duplas  e  ser  seguida, pelo menos,  da  página  onde  se  encontra.  Quando a  citação ultrapassar  as  três linhas, deverá ser  feita  com  um recuo de  4 cm da  margem esquerda. Esse é  um dado  importante para a formatação de  trabalhos  acadêmicos quando utilizamos o  Word, por exemplo. Se o  objetivo for apenas guardar  informações sobre um texto,  não será  necessário.

Resumo:  É o tipo em  que o estudante  apresenta as  principais ideias  do texto sem copiar nenhum trecho.  Já  explicamos  aqui  no  blog que  um bom  leitor demonstra a  sua compreensão geral  do  texto lido  quando é  capaz de resumi-lo  com suas  próprias  palavras e demonstramos a técnica de sumarização.

Quais  são os  elementos  básicos de  um fichamento?

O trabalho de  fichar  um texto é precedido de uma leitura atenta  do texto e “compreende: capacidade de analisar o texto, separar suas  partes e examinar como  se  inter-relacionam e como o texto se relaciona com  outros, e competência para resumir as ideias do  texto” (MEDEIROS, 2006, p. 111).

Eu  entreguei a  cada aluno duas fichas (Usei aquelas  tradicionais, vendidas  em  qualquer  papelaria, no tamanho 127mm X 203,2 mm.  No  quadro, eu  desenhei  uma  ficha  igual  e pedi  que  identificassem  alguns  elementos: título, autor, fonte da  publicação,  número de  páginas. Assim, mostrei  aos alunos  a  estrutura básica de  um fichamento:

  • Cabeçalho
  • Referência bibliográfica
  • Texto
  • Local  onde  se encontra a obra

Mostrei aos alunos como registrar os  dados bibliográficos do artigo e  expliquei que  isso é  feito de  acordo com  normas (Normas  Brasileiras de  Referência – NBR) estabelecidas  pela  ABNT. Pedi  que relessem  rapidamente o artigo “Das  esquadras de Cabral…” e  elaborassem  um fichamento de  citação, com  base no  que  haviam acabado de  aprender. Veja abaixo um exemplo feito a partir  do texto  lido  pela turma:

FichamentoClique  na imagem  para ampliar.

Como  tarefa de casa, solicitei  que  fizessem trabalho semelhante  com o  texto “Jeitinho brasileiro de  falar português” e “Estrangeirismos: antropofagia brasileira”. Avisei  que  iria dificultar um pouco a tarefa: eles deveriam fazer  um resumo  no  verso da ficha. Desse modo,  fariam também  um fichamento de  resumo.  Veja  um modelo feito a partir  do  mesmo texto  usado  no exemplo anterior:

Fichamento_2

Clique  na imagem  para ampliar.

O  modelo aqui apresentado não é o único possível e o uso  das  fichas  não substitui o  estudo tradicional.  O  estudante deve lembrar que  o fichamento  é apenas   um recurso para  organizar as  ideias  e  o  material de pesquisa.

Leia mais no  blog:

Como  fazer um resumo?  Aprenda a sumarizar.

Como fazer uma boa resenha?

Referências:

GUIMARÃES, E. R. J. Língua portuguesa: das esquadras de Cabral aos cinco continentes. Revista EntreLivros – Especial Línguas. São Paulo: Duetto, vol. 4, jan. 2006,  p. 68-71

MEDEIROS, J.B. Fichamento. Redação científica:  a prática de fichamentos, resumos, resenhas.  8.ed.  São Paulo: Atlas,  2006,  p. 110-131.

ZILLES,  A. M. S. O jeitinho brasileiro de  falar  português. Revista Biblioteca EntreLivros- Línguas. São Paulo: Duetto, vol. 4, jan. 2006,  p. 72-75.

 

Gostou? Divulgue!

Andréa Motta

Professora de Língua Portuguesa e Literatura. Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro.