27 de junho – aniversário da língua portuguesa

A língua portuguesa  é celebrada diversas  vezes  durante o  ano e isso já foi tema  de  um texto aqui   no   blog Conversa de Português: há datas  comemorativas  estabelecidas  pelas  leis  brasileiras  e  pelas  leis portuguesas.   Existe uma data anterior a  todas  as  outras   e  é  considerada o aniversário de nossa língua. O  dia  27 de  junho  marca a assinatura, em 1214, do  mais  antigo documento  régio escrito na  nossa  língua: o  testamento do  rei  D. Afonso  II, o  terceiro  rei de  Portugal. Obviamente,  a língua  passou  por  muitas  transformações  durante  esses  mais de 800 anos. Vejamos  alguns fatos dessa  história.

A origem

O português  –  assim como  o  francês, o espanhol, o  galego,  o  catalão, o  provençal,  o rético,  o  italiano, o  sardo e o  romeno  – é  uma língua  neolatina.  Isso significa que  se desenvolveu  na Península Ibérica a partir do  latim falado por soldados  e  colonizadores romanos;  ou  seja,  o latim vulgar.  As  primeiras  tropas romanas entraram  na  Península   durante a  segunda  guerra  entre  Roma e Cartago, “pois era  naquela  região que  os  cartagineses recrutavam os   homens  para  as  fileiras dos  exércitos contra Roma” (SARAIVA, 1995, p. 21).  Aquela   área  ficou conhecida como  Lusitânia – daí, o  substantivo lusíadas (que nomeia o mais  famoso livro de  Luiz de  Camões) e os  adjetivos luso e lusitano.

Lusitania

No  século V,  a  organização política dos  Romanos  foi destruída  pelos  diversos  povos   bárbaros  que invadiram a   Europa Ocidental: alanos  (oriundos do Cáucaso),  vândalos (germanos de  origem escandinava) e os suevos (germanos aparentados dos  saxões);  todos esses  povos eram  chamados de  bárbaros pelos romanos e  absorveram a  cultura e  a língua falada  na  região. No contato com  as línguas bárbaras, o latim vulgar sofreu diversas  influências e  evoluiu de  formas  distintas nas  diferentes regiões onde  já era  falado. Em  711, com a  invasão moura, o árabe foi adotado como língua administrativa  e  também  influenciou a  língua  local.  A  Reconquista do território só aconteceu cerca 300  anos  mais   tarde e uma consequência desse  momento histórico é  o  uso de palavras  como arroz, alicate, armazém,  todas  de  origem árabe. Sobre a influência  moura, temos o  texto Árabe na língua portuguesa?

De onde  vem  o  vocábulo português?

Saraiva (1995) afirma  que

desde  os  fins do século IX começaram a  aparecer referências a  um  Condado Portucalense, de  fronteiras  muito imprecisas, mas  que  abrangia terras no Minho e ao sul do  Douro. A designação  provinha de  a principal povoação ser  Portucale, situada próximo  da foz do  Douro, que  foi “restaurada” e povoada nos  meados  do século IX pelo  Conde Vimara  Peres. (p.42)

Como  podemos  observar foi daí  que  surgiram, portanto,  Portugal, português e língua  portuguesa.

A evolução de  nossa  língua

Leite de  Vasconcellos, segundo  Cunha e Cintra (2008), divide  a  história da  língua  portuguesa em grandes  épocas:

  • Pré-histórica ou  Latim lusitânico: Começa com as origens da  língua e  vai até o século V.
  • Romance lusitânico:  Língua falada  na Lusitânia, do século VI ao  século IX. Não existem  documentos  escritos correspondentes  a  essa  fase.
  • Proto-histórica: Estende-se do século IX ao  século XII. Nesse  período,  são escritos os textos em  Latim Bárbaro, palavras e  termos emprestados  das línguas  locais e   palavras  portuguesas, evidenciando a  existência do dialeto galego-português.
  • Português  arcaico: Princípios do século XIII (assinatura doTestamento de  D. Afonso) até a primeira  metade do século XVI, quando é  publicada a Grammatica da lingoagem  portuguesa, de  Fernão de  Oliveira (1536).
  • português  moderno: Segunda metade do  século XVI até  os  dias  atuais.

A  carta do  rei D. Afonso corresponde à  fase histórica da língua portuguesa, visto  que  foi escrita  no  século XIII. É a época  também  do Trovadorismo, movimento literário que  inaugura  a  literatura  de  língua  portuguesa. Veja   abaixo como  era  a nossa língua no século XII:

Se  não conseguir  visualizar o player, clique  aqui.

Mandad’ey comigo
Martin Codax

Mandad’ei comigo / Ca ven meu amigo: E irei, madr,a Vigo!
Comigu’ei mandado / Ca ven meu amado: E irei, madr’,a Vigo!
Ca ven meu amigo / E ven san’e vivo: E irei, madr’,a Vigo!
Ca ven meu amado/ E ven viv’e sano E irei, madr’,a Vigo!
Ca ven san’e vivo/ E d’el rei amigo E irei, madr’,a Vigo!
Ca ven vi-v’e sano/ E d’el rei privado E irei, madr’,a Vigo!

O fato literário de  maior relevância para  a constituição do  português  moderno  é a publicação de  Os Lusíadas, de  Luiz de  Camões, em  que  o  poeta usa a  viagem de  Vasco de  Gama  às  Índias como  pretexto para contar  a história de  Portugal.

Camoes

Já  explicamos  em outros  textos  que  a  expansão  marítima  portuguesa ampliou  também o domínio da língua  portuguesa nos  cinco  continentes. Também já explicamos a  evolução sofrida em   seu  léxico pelo contato com  diversas  outras  línguas.   A história da nossa  língua continua,  portanto, em construção.

Leia  mais no   blog:

Afinal, qual  é  o  dia da língua portuguesa?

801  anos  da  língua  portuguesa

Trovadorismo

Referências:

CUNHA,C.; CINTRA, L. Períodos evolutivos da língua  portuguesa. Nova gramática do português  contemporâneo. 5.ed. Rio de Janeiro:  Lexicon, 2008. p. 18-22.

SARAIVA,  J.H.  Origens. História  Concisa de  Portugal. 17.ed. Sintra: Publicações Europa-América, 1995. p. 17 – 44.