[Sala de Aula] Dia do Trabalho e figuras de linguagem

No dia 31 de março, eu  publiquei,  na  coluna  Sala de Aula, a descrição de uma atividade  sobre  figuras de  linguagem,  realizada  com  minha  turma do  primeiro ano do  Ensino  Médio. Ontem,   27 de  abril,  fizemos   um exercício de  revisão daquele  assunto e o aproveitamos  para refletir  sobre as  relações trabalhistas –  uma  antecipação do  Dia  do  Trabalho, que será  celebrado no  próximo domingo.

Acompanhe a  sequência de  nossa aula:

1. Os  alunos  receberam cópias  das canções Operário em  construção, de  Vinícius de  Moraes, e  Construção, interpretada por  Zé Ramalho.

2.  Para acompanhar a  leitura dos textos,  assistimos aos  vídeos  disponibilizados  no  site  YouTube.

Se não conseguir visualizar o player, clique  AQUI.

 

3. Após  ler  e  ouvir  os  textos, eu e os alunos debatemos  sobre o conteúdo de cada  um deles: O  que aconteceu  no  primeiro  texto? O  que  significa ser um operário em construção? E o  segundo texto: qual  é a principal queixa do operário?

Nesse  ponto da aula,  os  alunos perceberam  que  os textos abordam  as relações trabalhistas  e o  preconceito com  as classes  operárias.  A turma  considerou  que todo o primeiro texto era  uma  metáfora sobre a  tomada  de  consciência de  um operário explorado  por seu   patrão.

Uma  vez  que  os  alunos deram essa  resposta, eu  os  questionei  a  respeito de  algumas  datas  comemorativas, como o  Dia  Internacional da Mulher (8 de  março) e Dia  do  Trabalho (1  de  maio ).  Eu  queria  saber  se eles conheciam  as  razões pelas quais essas datas  foram instituídas:  um dos alunos  lembrou  que  o  Dia  da Mulher fora  criado como  uma  homenagem às  mulheres queimadas  em  uma  fábrica em  1911. Sobre o  1 de maio,  comentei  que  também está  relacionado a um confronto entre  operários  e policiais  em  Chicago  no  ano 1886. Os  meninos  concluíram que  não são,  portanto,  datas  festivas.

4.  A  última parte  da aula  consistiu em procurar nos  dois  textos  as   figuras de  linguagem  que eles  estudaram, não  com o   propósito de  decorar  conceitos  ou  nomenclaturas, mas  perceber como são  utilizadas  na  construção do sentido do texto.   Destaco algumas  das  considerações  feitas  pelos alunos durante  a  leitura de Operário em construção:

Metonímia.    Os  alunos consideraram  que  o  operário descrito   em todo o  poema  não  é  um indivíduo, mas, sim,  uma  representação da classe operária  na luta  por seus  direitos: um operário (singular)  simboliza todos os outros  (plural).   Também  identificaram  o  mesmo recurso linguístico nos  versos

E assim o  operário ia
com  suor  e  com  cimento
Erguendo  uma casa aqui
adiante um apartamento

[…]

Como era de se esperar
As  bocas da delação
Começaram de dizer coisas
Aos ouvidos do patrão.

Gradação.  A  turma  percebeu  que o texto  mostra gradativamente a  evolução do operário, desde o  momento em que  percebe o  seu  papel  social  até  o  final do  texto quando, pode-se  supor  que ele  foi  morto.  A  mesma  figura também  aparece  em   versos  isolados  como,  por  exemplo,  os  transcritos  abaixo:

Olhou  em  torno: gamela
Banco, enxerga, caldeirão
Vidro, parede, janela,
Casa, cidade, nação!

Eufemismo. O  poema  contém  diversos   trechos  em  que   essa  figura de   linguagem – cuja característica  é  amenizar  uma  informação desagradável -, mas  os estudantes ficaram  mais sensibilizados com  a possível  morte  por  tortura do  operário, o  que é  apresentado  nos   versos  finais do poema.

E um grande silêncio fez-se
Dentro do seu coração
Um silêncio de martírios
Um silêncio de prisão.
Um silêncio povoado
De pedidos de perdão
Um silêncio apavorado
Com o medo em solidão.

Um silêncio de  torturas
E grito de maldição
Um silêncio de fraturas
A se arrastarem no chão.
E o operário ouviu a voz
De todos os seus irmãos que morreram
Por outros que viverão.
Uma esperança sincera
Cresceu no seu coração
E dentro da tarde mansa
Agigantou-se a razão
De um homem pobre e esquecido
Razão porém que fizera
Um operário construído
O operário em construção.

 

Também  assistimos ao  vídeo da canção  Cidadão e pedi que realizassem   a  mesma tarefa em casa:

Se  não conseguir  visualizar o   player, clique  aqui.

 

Leia  também  no   blog:

Sala de  aula: Figuras  de  linguagem

1º de maio e  literatura

Operário em construção – nossa análise

 

Veja  também o simulado  sobre figuras de linguagem:

Figuras de linguagem

Andréa Motta

Professora de Língua Portuguesa e Literatura no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro. Professora voluntária de Língua Portuguesa e Redação no Pré-vestibular Comunitário Padre José Maurício Nunes Garcia.