Você sabe usar os porquês?

Como  são usados os  porquês? Muita   gente tem  essa dúvida e nós preparamos  um material  especial  para o  leitor. Leia abaixo  quais  são os  usos ou  assista ao vídeo no  final do texto.

Observe  os  exemplos:

Por que você faltou à aula?

Não sei por que você faltou à aula.

Você faltou à aula, por quê?

Quero saber o porquê de você ter faltado à aula.

POR QUE
1. Preposição + um pronome interrogativo. Esta construção deve ser usada nas interrogativas diretas e indiretas: “Por que você faltou à aula?” e “Não sei por que faltou à aula”; nestes casos, subentende-se “por que motivo”.

2. Preposição + pronome relativo. Neste caso, pode ser substituído pelas expressões o/a qual ou os/as quais, ou estas serem subtendidas: “Não sei o motivo por que você faltou à aula.” , “Não sei o motivo pelo qual você faltou à aula”; “Perdemos o ônibus. Eis o motivo por que (ou pelo qual) faltamos à aula”.

POR QUÊ
É o mesmo por que do item anterior; no entanto, é usado em fim de frase ou antes de ponto-e-vírgula: “Você faltou à aula, por quê?”.

PORQUE
O vocábulo porque pode pertencer a três classes gramaticais diferentes e, por isso, ter seu uso determinado por cada uma delas.

1. Conjunção explicativa. Quando precedida de pausa, (que na escrita, é representada por vírgula, ponto-e-vírgula ou ponto-final), equivale a pois, porquanto, uma vez que: “Deve ter chovido, porque o pátio está molhado”.

2. Conjunção causal (introduz a causa do que já foi dito): A menina chorou porque queria a boneca.

3. Conjunção final. Introduz a finalidade, o objetivo do que foi dito anteriormente e pode ser substituída pela expressão “para que”: “Vigiai e orai, porque não entreis em tentação”; “Vigiai e orai, para que não entreis em tentação” .

PORQUÊ
Este é um substantivo, que equivale a “causa, razão ou motivo, pergunta, indagação”. Pode ser usado no plural (os porquês), como qualquer substantivo e recebe acento por ser um oxítono terminado em -e: “Não sei o porquê de ter faltado à aula”.

Nós, brasileiros, sempre encontramos dificuldade quanto ao uso desses vocábulos. Nota interessante sobre este assunto pode ser encontrada no Grande Manual de Ortografia Globo, do respeitadíssimo professor Celso Pedro Luft: “Em Portugal, não se distingue por que de porque. Há apenas a segunda grafia”.

Se  não conseguir visualizar o  player,  clique AQUI.

Você também tem dúvidas quanto ao uso da língua portuguesa? Envie para o blog. Preencha o FORMULÁRIO DE CONTATO, forneça um endereço de email válido e faça a pergunta. Assim que a resposta for publicada, eu avisarei. A próxima pergunta a ser publicada no blog pode ser  a sua!

Gostou? Divulgue!

Andréa Motta

Professora de Língua Portuguesa e Literatura. Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro.