Como elaborar o parágrafo? – parte 2

O desenvolvimento é  a explanação da ideia apresentada no tópico frasal. Assim, o  autor do texto deve preocupar-se com a  clareza daquilo que será  exposto, o  que  pode ser  feito por  meio de enumeração de detalhes, comparações, analogias, exemplos, ilustrações.

Os diferentes  tipos de desenvolvimento

1. Enumeração ou descrição de detalhes –  O desenvolvimento  por enumeração de detalhes é o  mais  comum e  caracteriza-se pela descrição  e especificação de pormenores.

A Turquia é um país  de muitos inimigos  históricos, fruto colhido durante o  Império Otomano. Dentre esses  inimigos estão  os  armênios, gregos, persas, russos e  os  próprios  árabes, entre outros. Contudo, os ventos soprados recentemente de  maior autonomia  turca apontam para  uma reconciliação. Gregos  e turcos estão negociando a  sensível questão cipriota e encaminhando uma possível reunificação da ilha. A Turquia  também foi o primeiro país a se solidarizar com a  crise econômica  grega. Os árabes, que estiveram  por oito séculos sob domínio turco, período em  que  os rancores foram  aprofundados,  olham para os turcos do século XXI com menos reticência.  Ancara ganhou  mil  pontos no  mundo  árabe  e muçulmano  com  o  episódio da flotilha pró-palestina no  Mediterrâneo, desastrada iniciativa israelense que  reacendeu a brasa local. A firmeza com que a Turquia reagiu a Israel, chamando os soldados judeus de “piratas”, trouxe-lhe uma atmosfera de liderança regional. A delicada questão armênia também tem sido conduzida com tato pelo atual governo, o  qual conseguiu, inclusive,  o  reatamento das relações turco-armênias que  estavam corroídas há décadas.  (SILVA, 2010,  p. 40)

 

2. Analogia  e comparação – Na comparação, as  semelhanças  são reais e expressas por termos como quanto, como, tal qual, parecer, lembrar, dar uma ideia. Nas analogias,  as semelhanças são imaginárias (GARCIA, 2010, p. 233). Veja  o exemplo extraído da  obra do professor  Othon Moacir Garcia:

O  Sol  é muitíssimo maior do que a  Terra, e está ainda  tão quente  que é como  uma enorme  bola incandescente, que  inunda o espaço em torno com  luz e calor. Nós  aqui na  Terra não  poderíamos passar muito tempo sem a  luz e o  calor  que  nos vêm do  Sol, apesar de sabermos produzir  aqui mesmo tanto  luz quanto  calor.

 Note que  o  exemplo apresenta  a  estrutura da comparação (“é como  uma  bola incandescente”) e o  conteúdo  feito  por  analogia: explica-se o  desconhecido (a temperatura do  Sol) por  meio de  um elemento conhecido (uma  bola de  fogo).

3. Citação de  exemplos – Esse tipo de parágrafo pode  ter um aspecto didático ou  literário.  No  primeiro caso, os  exemplos  servem para elucidar o  que  foi exposto  e  é possível  encontrar expressões como “por  exemplo”.

Ensinar a  ler e a escrever  é   função de toda a equipe pedagógica, afinal, essas  são estratégias para a construção de aprendizagem em qualquer  área do conhecimento. Para que os docentes das  demais disciplinas também assumam essa responsabilidade, o professor de  Língua Portuguesa, junto com o  coordenador pedagógico, pode usar a  experiência que tem  e disseminar propostas de  formação  de leitores e escritores na escola, fazendo parceria com os  colegas. […] O educador de  Geografia,  por exemplo, pode adequar suas  mediações para  favorecer momentos em  que  os  alunos lançam mão da  leitura e da escrita, para analisar e elaborar mapas geográficos. (FERREIRA,  2014, p. 23)

Nos  casos  em  que o exemplo  não é  didático,  o  parágrafo    não apresenta as partículas  próprias da  exemplificação:

Outro sério problema do Estado português foram as dívidas. Nenhum rei português possuía suficiente capital para custear as  enormes despesas no  ultramar e aquelas originadas pelo  luxo da corte, acentuado com o  passar do tempo, que drenava somas  formidáveis para atividades improdutivas como  a construção de palácios, o sustento de cortesãos e  os  privilégios eclesiásticos. Os  monarcas portugueses comportavam-se como se  o império fosse eterno. (AMADO & FIGUEIREDO, 2009, p. 25)

Há   outras  formas  de desenvolver  o  parágrafo; escolhemos,  no entanto, apenas  algumas  que  podem  ser bem  utilizadas  por  nossos leitores.

AMADO, J.; L.C. FIGUEIREDO. Por terras  nunca dantes mapeadas. História Viva-  Grandes  temas. São Paulo,  n.14

FERREIRA, A. S. Trabalhar leitura e escrita é tarefa só da área de Língua Portuguesa? Revista Nova  Escola. São  Paulo,  v.29, n. 269, p. 23, fev 2014.

GARCIA, O.M. Comunicação em  prosa moderna. 27.ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas,  2010.

SILVA, E.A.C. A quem cabe a última palavra. Carta na escola. São Paulo: Confiança,  2010.  p. 40 – 42

Andréa Motta

Professora de Língua Portuguesa e Literatura no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro. Professora voluntária de Língua Portuguesa e Redação no Pré-vestibular Comunitário Padre José Maurício Nunes Garcia.

Comentários