[Produção textual] Como fazer uma boa dissertação – parte 2

Todo texto em prosa  é organizado  em parágrafos – unidades de composição, constituídas por um ou mais períodos, em que se desenvolve uma ideia central, a que se agregam outras. É dessa forma que o parágrafo-padrão é apresentado no  célebre livro Comunicação  em  prosa moderna, do  professor Othon Moacir Garcia.   No  texto  Como  fazer uma boa dissertação, apresentamos  algumas dicas úteis a  qualquer tipo de texto. Neste artigo,  abordaremos  os seguintes tópicos: legibilidade do  texto, requisitos mínimos e  competência argumentativa.

O  texto dissertativo  é  o  mais  pedido pelas  bancas em  concursos   públicos;  isso  ocorre, pois  é uma modalidade que permite ao corretor avaliar a capacidade de organização textual  do candidato. O candidato deverá, portanto,  escrever  um texto de natureza expositiva e/ou argumentativa.  Redigir um texto  em  modalidade diferente daquela  determinada pela  instrução da prova pode significar, em alguns casos, a  sua eliminação do  concurso.

1. Legibilidade do  texto

Costuma-se dizer que é  proibido,  usar  letra de forma em   concursos públicos – o  que não  é verdade! Se pensarmos com  bom senso, veremos  que é impossível a cada candidato que a utilize fazer um curso  apenas  para  aprender em  letra cursiva.  Geralmente, os  editais e  instruções de provas determinam  o  uso  apenas de “letra legível”. Qual é o problema, então, da letra de forma? Como todas  as letras costumam ser escritas com o mesmo  tamanho, o avaliador tem dificuldade em  identificar as maiúsculas e minúsculas, o que  fará o  candidato  perder alguma coisa no item  ortografia.

No  livro Redação de  textos  dissertativos,  os autores apresentam como  o exemplo  o  Edital para o  Concurso de  Fiscal de  Rendas da Secretaria de Fazenda -RJ, publicado  em 2010. O edital  determina que “a prova discursiva […] versará sobre o  desenvolvimento  em letra cursiva, com caneta esferográfica, fabricada em  material transparente.” (LEITÃO, 2011,p.5)

A capa do  caderno de provas do  Exame Nacional do Ensino  Médio  2011 traz as seguintes observações:

Atenção: após a conferência,  escreva e assine seu  nome nos espaços próprios do  cartão-resposta e da folha de redação com caneta esferográfica de  tinta preta.

Atenção: transcreva no  espaço  apropriado  do  seu  cartão-resposta,com sua caligrafia  habitual, considerando as letras maiúsculas e  minúsculas, a seguinte frase: Lenta, descansa a onda que a maré deixa. 

Percebemos,  assim, que  não existe regra para o tipo de letra a ser usado;  o candidato deve ler a prova com  atenção e  verificar o que é  solicitado pela banca avaliadora.

2.  Requisitos  mínimos

Muitos  candidatos   ficam  surpresos  ao descobrirem  que  suas  notas na  prova de redação  não  foram  satisfatórias ou que  obtiveram   nota zero. Notas  tão  baixas  são resultados, em alguns casos,  de  pura falta de atenção  ao que  foi  solicitado  no comando  da questão.

2. 1  Registro  formal  culto da língua portuguesa

Não  confunda registro  formal  culto  com  preciosismo.   Esse item da tabela de correção corresponde aos seguintes tópicos: concordância, regência, colocação, pontuação, ortografia oficial.

3. Competência argumentativa

Esse requisito corresponde a:  capacidade de argumentação, sequência lógica de pensamento, adequação do  texto  ao  tema, objetividade, pertinência dos argumentos.

Leia mais no  blog: 

Como fazer  uma boa  dissertação

Leia fora do  blog:

Confira o  caderno de questões do ENEM 2011 para a área de Linguagens, Códigos e suas  Tecnologias. Clique AQUI. (Arquivo  em pdf)

 

 

Referência:

LEITÃO, L.R.; ALMEIDA, M.C; COSTA, M.F.  Redação de  textos  dissertativos: concursos, vestibulares,  ENEM. Rio de  Janeiro: Ferrreira,  2011.


Andréa Motta

Professora de Língua Portuguesa e Literatura no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro. Professora voluntária de Língua Portuguesa e Redação no Pré-vestibular Comunitário Padre José Maurício Nunes Garcia.