Andréa Motta

Professora de Língua Portuguesa e Literatura no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro. Professora voluntária de Língua Portuguesa e Redação no Pré-vestibular Comunitário Padre José Maurício Nunes Garcia.

Comentários

  1. Boa tarde professora. Estou lendo um texto seu, mas não tem o autor, por acaso vc lembra/
    O texto fala sobre os contos de fadas, e tem trechos que fala sobre Perrault, La Fontaine e etc. Veja este trecho: “A história da literatura registra que a primeira coletanea de contos infantis foi publicada no sec. XVII…” e por ai vai.
    Muito obrigada.
    paz e bem.
    Isa

    1. Rubens, a expressão “a distância” só é escrita com acento indicativo de crase quando a palavra distância aparece especificada, o que aconteceria, por exemplo, em “Os prédios ficam à distância de 30 metros um do outro”. Em “ensino a distância”, o acento não se justifica, pois não ocorre tal especificação. Aqui vale o bom senso: não há como especificar ou determinar a distância entre o aluno e o professor nesta modalidade de ensino.

      Vale lembrar ainda que, nos casos em que a expressão pode ser ambígua, o acento é obrigatório. É o que acontece em frases como “Os pais vigiavam à distância”, em que o leitor pode ser tentado a considerar que a expressão é um complemento verbal e não uma locução adverbial feminina.

      Obrigada pela visita ao blog.