Sem nos preocupar ou sem nos preocuparmos? O uso do infinitivo flexionado

O  infinitivo é  uma das  formas nominais do verbo, assim  como o particípio e o gerúndio.  Elas são  assim  chamadas por não  exprimirem sozinhas nem o tempo nem o modo. O  “seu valor  temporal  e modal está sempre em  dependência do contexto em  que aparecem” (CUNHA, 2008, p. 496). A principal característica do infinitivo é exprimir  a ideia da ação e assume, na língua portuguesa, duas formas: uma não  flexionada e outra flexionada. Como, então, usar o  infinitivo flexionado?

O  infinitivo  flexionado  é  usado  nos  principais casos:

1. quando  tem sujeito claramente expresso é obrigatória a flexão  do infinitivo: “Estudamos para nós vencermos  na vida”

2. quando se refere a  um agente não expresso, que se quer dar a conhecer pela desinência  verbal: “Acho melhor não fazermos nada.”

3. quando, na 3ª pessoa do plural, indica a indeterminação do sujeito: “Ouvi dizerem que você é boa  pessoa”.

4.  quando se quer dar ênfase à  frase: “Aqueles homens gotejantes de suor […] desvairados de insolação, a quebrarem, a espicaçarem, a torturarem  a pedra”.

Vejamos, então, a pergunta feita em  nosso blog:

Qual a forma correta:

1) “Compramos sem nos preocupar para onde vai aquilo que não usamos mais.”

2) “Compramos sem nos preocuparmos para onde vai aquilo que não usamos mais.”

Desde já,
Muito Obrigado.

 

 

A forma  correta  é  “Compramos sem  nos preocupar…”. Reparem que o  sujeito de preocupar (nós) não  está  expresso na oração e é o mesmo da oração  principal.

 

Andréa Motta

Professora de Língua Portuguesa e Literatura no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro. Professora voluntária de Língua Portuguesa e Redação no Pré-vestibular Comunitário Padre José Maurício Nunes Garcia.