Fernando Pessoa, muitas pessoas

Fernando Antônio Nogueira Pessoa nasceu em Lisboa em 13 de junho de 1888 e recebeu o nome em  homenagem  a  Santo  Antônio, padroeiro da cidade. Sua  vida literária começou  em  1912, ano em que  conheceu  Mário de  Sá-Carneiro, outro grande poeta da língua portuguesa. No  mesmo  ano, começou a colaborar na revista A Águia, cujo editor era o poeta Teixeira de Pascoais.  Ousadamente, Pessoa anunciou naquela revista que  Portugal conheceria um poeta maior do  que  Luís de Camões, um “supra-Camões” e suas  declarações foram recebidas como  um escândalo em  Portugal.

Envolvido  com ciências ocultas,  Pessoa  passou a escrever  também   poemas esotéricos; em  seguida,  publicou um poema erótico  em  língua inglesa e Gládio, que seria  usado  mais  tarde para compor o  poema épico  Mensagem, em que  narrava a história de Portugal.

O  que   diferencia Pessoa dos demais  poetas é  o  fenômeno  da heteronímia. Como  já expliquei  em  outro post “diferente do pseudônimo, em que o artista assume novo nome sem mudar suas características de escrita, na heteronímia ocorre uma alteração de estilo, tema, vocabulário”. O pseudônimo  é um nome  falso usado  para esconder o   verdadeiro  nome do artista; o  heterônimo, ao contrário, não esconde a identidade verdadeira do  escritor, mas representa uma nova estética literária. Foi Fernando Pessoa quem criou essa designação  e é  o  único  caso de heteronímia da literatura mundial. O poeta escreveu a Adolfo Casais Monteiro, em 13 de  janeiro de  1935, e explicou  como nasceram  os seus  principais heterônimos:

Meu prezado Camarada:

Muito agradeço a sua carta, a que vou responder imediata e integralmente. Antes de, propriamente, começar, quero pedir-lhe desculpa de lhe escrever neste papel de cópia.

Acabou-se-me o decente, é domingo, e não posso arranjar outro. Mas mais vale, creio, o mau papel que o adiamento.

Em primeiro lugar, quero dizer-lhe que nunca eu veria «outras razões» em qualquer cousa que escrevesse, discordando a meu respeito. Sou um dos poucos poetas portugueses que não decretou a sua própria infalibilidade, nem toma qualquer crítica, que se lhe faça, como um acto de lesa-divindade. Além disso, quaisquer que sejam os meus defeitos mentais, é nula em mim a tendência para a mania da perseguição. À parte isso, conheço já suficientemente a sua independência mental, que, se me é permitido dizê-lo, muito aprovo e louvo. Nunca me propus ser Mestre ou Chefe – Mestre, porque não sei ensinar, nem sei se teria que ensinar; Chefe, porque nem sei estrelar ovos. Não se preocupe, pois, em qualquer ocasião, com o que tenha que dizer a meu respeito. Não procuro caves nos andares nobres.

[…]

Respondo agora diretamente às suas três perguntas: (1) plano futuro da publicação das minhas obras, (2) gênese dos meus heterônimos, e (3) ocultismo.

[…]

Começo pela parte psiquiátrica. A origem dos meus heterônimos é o fundo traço de histeria que existe em mim. Não sei se sou simplesmente histérico, se sou, mais propriamente, um histero-neurastênico. Tendo para esta segunda hipótese, porque há em mim fenômenos de abulia que a histeria, propriamente dita, não enquadra no registo dos seus sintomas. Seja como for, a origem mental dos heterônimos está na minha tendência orgânica e constante para a despersonalização e para a simulação. Estes fenômenos – felizmente para mim e para os outros – mentalizaram-se em mim; quero dizer, não se manifestam na minha vida prática, exterior e de contato com outros; fazem explosão para dentro e vivo-os eu a sós comigo. Se eu fosse mulher – na mulher os fenômenos histéricos rompem em ataques e coisas parecidas – cada poema de Álvaro de Campos (o mais histericamente histérico de mim) seria um alarme para a vizinhança. Mas sou homem – e nos homens a histeria assume principalmente aspectos mentais: assim tudo acaba em silêncio e poesia.

[…]

Levei uns dias a elaborar o poeta mas nada consegui. Num dia em que finalmente desistira – foi em 8 de Março de 1914 – acerquei-me de uma cómoda alta, e, tomando um papel, comecei a escrever, de pé, como escrevo sempre que posso. E escrevi trinta e tantos poemas a fio, numa espécie de êxtase cuja natureza não conseguirei definir. Foi o dia triunfal da minha vida, e nunca poderei ter outro assim. Abri com o título Guardador de Rebanhos. E o que se seguiu foi o aparecimento de alguém em mim, a quem dei desde logo o nome Alberto Caeiro.

Naquele “dia  triunfal”, nasceram, segundo  a carta publicada em 1937 por Casais Monteiro  na  Revista Presença, nº 9, os  heterônimos Alberto Caeiro,  Ricardo  Reis e Álvaro de Campos. Para cada uma dessas personas literárias, Pessoa criou  uma biografia: Álvaro de Campos nascera em  Tavira em 1890 e era engenheiro  naval; Alberto  Caeiro nascera em  1889 e  não  tinha instrução; Ricardo  Reis fora educado em   um colégio  jesuíta, era  médico e residia no  Brasil.

Tenho  tanto  sentimento

Tenho tanto sentimento
Que é frequente persuadir-me
De que sou sentimental,
Mas reconheço, ao medir-me,
Que tudo isso é pensamento,
Que não senti afinal.

Temos, todos que vivemos,
Uma vida que é vivida
E outra vida que é pensada,
E a única vida que temos
É essa que é dividida
Entre a verdadeira e a errada.

Qual porém é a verdadeira
E qual errada, ninguém
Nos saberá explicar;
E vivemos de maneira
Que a vida que a gente tem
É a que tem que pensar.

 

O  texto de hoje (Fernando Pessoa, muitas pessoas) foi escrito especialmente para o Programa Dude Xavier e apresentado  como homenagem ao  aniversário do poeta que será em  13 de  junho.

 

Para ver todos os textos do Conversa de Português relacionados a Fernando  Pessoa, clique AQUI.

Fonte de pesquisa:

TUTIKIAN, Jane. Sobre Fernando  Pessoa. In: PESSOA, Fernando. Mensagem. Porto Alegre:L&PM, 2006.

Atualizado em 14/10/2013

 

Andréa Motta

Professora de Língua Portuguesa e Literatura no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro. Professora voluntária de Língua Portuguesa e Redação no Pré-vestibular Comunitário Padre José Maurício Nunes Garcia.