Acordo Ortográfico: a Base V – o que houve com as vogais

 

A  Base V do Acordo  Ortográfico da Língua Portuguesa aborda o  emprego do  e,i o  e u  em sílaba átona.  O  que são, afinal,  uma  sílaba  tônica e uma sílaba  átona? Quando  analisamos as  sílabas de  uma  palavra,  consideramos  alguns aspectos: a intensidade da pronúncia (a  força  expiratória exigida durante a fala);  o timbre (aberto ou fechado); a  quantidade ( a duração de cada conjunto sonoro) e o  tom (grave  ou agudo).  Para definirmos  se  a sílaba é  tônica  ou átona observamos,  pois, a intensidade  do som  como  forte (tônico) ou  fraco (átono).  Isto significa que toda  palavra tem  um acento; quando  falamos,  pois,  em acentuação gráfica,  estamos  dizendo que  marcaremos  por  meio da escrita a sílaba mais intensa  de  uma  palavra.  Na Base  V  do  Acordo, a  preocupação reside  na escrita das vogais átonas,  ou seja,  aquelas cuja pronúncia se  dá  de  modo  mais  fraco.
Deste  modo,  diz  o   texto do Acordo  que
1. escrevem-se  com e, antes de   vogal ou  ditongo de  sílaba tônica, os derivados de palavras que    terminam  em e  acentuado: galeão, galeota (originados de   galé),  coreano (Coreia);   guineense, derivado de Guiné.
2. escrevem-se  com i, antes da sílaba  tônica, os adjetivos   e substantivos derivados aos quais se acrescentaram os   sufixos –iano e –iense, ainda  que a  palavra   primitiva tenha   um  e: acriano (Acre).
3. Uniformizam-se com  as terminações    -io e  -ia os  substantivos que as apresentam com   variações: hástia, de   haste; réstia,  do  antigo  reste;  véstia, de veste.
Obs:  Todas  essas  alterações  foram feitas  com  base  na  etimologia.
 

Já conhece nossa página de fãs no Facebook?

Andréa Motta

Professora de Língua Portuguesa e Literatura no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro. Professora voluntária de Língua Portuguesa e Redação no Pré-vestibular Comunitário Padre José Maurício Nunes Garcia.