Sobre o autor – novidade no blog

 

Fernando Antônio Nogueira Pessoa nasceu em Lisboa em 13 de junho de 1888.   Tendo  nascido no dia  de  Santo  Antônio, padroeiro da cidade,   foi  batizado  com o  nome  do  santo  em  sua  homenagem. O que diferencia Pessoa dos outros poetas é o fenômeno da heteronímia, que o fez criar 72 “personas” literárias. Diferente do pseudônimo , em que o artista assume novo nome sem mudar suas características de escrita, na heteronímia ocorre uma alteração de estilo, tema, vocabulário. Fernando Pessoa criou, segundo aqueles que lhe estudam as obras, 72 personas _ e não há que se confundir com personagens _ dentre os quais quatro são mais conhecidos: Fernando Pessoa (Ele Mesmo), Ricardo Reis, Álvaro de Campos e Alberto Caeiro. Em carta ao amigo Adolfo Casais Monteiro, Fernando escreveu sobre os heterônimos:

 

Lisboa, 13 de Janeiro de 1935 Meu prezado Camarada: Muito agradeço a sua carta, a que vou responder imediata e integralmente. Antes de, propriamente, começar, quero pedir-lhe desculpa de lhe escrever neste papel de cópia. Acabou-se-me o decente, é domingo, e não posso arranjar outro. Mas mais vale, creio, o mau papel que o adiamento.Respondo agora diretamente às suas três perguntas: (1) plano futuro da publicação das minhas obras, (2) gênese dos meus heterônimos, e (3) ocultismo.Começo pela parte psiquiátrica. A origem dos meus heterônimos é o fundo traço de histeria que existe em mim. Não sei se sou simplesmente histérico, se sou, mais propriamente, um histero-neurastênico. Tendo para esta segunda hipótese, porque há em mim fenômenos de abulia que a histeria, propriamente dita, não enquadra no registo dos seus sintomas. Seja como for, a origem mental dos heterônimos está na minha tendência orgânica e constante para a despersonalização e para a simulação. Estes fenômenos – felizmente para mim e para os outros – mentalizaram-se em mim; quero dizer, não se manifestam na minha vida prática, exterior e de contato com outros; fazem explosão para dentro e vivo-os eu a sós comigo.
A partir daí, Pessoa conta ao amigo as vidas que construiu para cada uma de suas “personas”.

 

Álvaro de Campos nasceu em Tavira, no dia 15 de Outubro de 1890 (às 01:30 da tarde, diz-me o Ferreira Gomes; e é verdade, pois, feito o horóscopo para essa hora, está certo). Este, como sabe, é engenheiro naval (por Glasgow), mas agora está aqui em Lisboa em inatividade. Alberto Caeiro nasceu em 1889 e morreu em 1915; nasceu em Lisboa, mas viveu quase toda a sua vida no campo. Não teve profissão nem educação quase alguma. Ricardo Reis educado num colégio de jesuítas, é, como disse, médico; vive no Brasil desde 1919, pois se expatriou espontaneamente por ser monárquico. É, um latinista por educação alheia, e um semi-helenista por educação própria.

 

 

Atualizado em 24/09/2014

Andréa Motta

Professora de Língua Portuguesa e Literatura no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro. Professora voluntária de Língua Portuguesa e Redação no Pré-vestibular Comunitário Padre José Maurício Nunes Garcia.

Comentários

  1. Oi, Andréa, que boa idéia usar podcasts. É sempre bom inserir novidades no blog, "de quando em vez", hehehe. Vou colocar o seu blog como parceiro do História Digital. Vai na categoria de ensino de Língua Portuguesa. Pode ser? Beijos

  2. OI Andréia, parabéns pelo post! Preciso aprender a incorporar estas estratégias no meu blog também.

    Wolney

  3. Obrigada, Michel, Wolney e Viviana. Eu fiz esse como um teste, mas a ideia é usar sempre o podcast como recurso no blog. O próximo ficará ainda melhor.

  4. Oie!!!

    Escutei e adorei… muito bom saber e escutar…

    Agora pelo menos já conheço a voz da minha querida amiga Andréa.

    Beijos

  5. Oi
    Andreia
    Queria perguntar que podcast usas, já que para mim é uma novidade e quero fazer alguns testes para poder ensinar a meus alunos

  6. Viviana, eu uso um programa chamado Audacity para fazer as gravações e depois faço o upload do arquivo no site http://www.4shared.com. Lá você encontra o código para o player(aprendi isso com o Michel). Acho prático, pois dá pra fazer tudo em um lugar só: oferecer o download para os leitores e pegar o código do player. Um abraço!