Sobre o autor – Cruz e Souza

A  coluna   Sobre o autor  é  publicada  no blog Conversa de  Português  sempre às terças-feiras.    No texto  de  lançamento, explicou-se  que  “sua característica  principal é a  apresentação de uma breve  biografia de   autores consagrados e    obras   já  consideradas  de  domínio público (aquelas   cujos  autores  são  falecidos há, pelo menos, 70 anos)”, além  de um  arquivo de  áudio, disponibilizado para  download. Neste arquivo,  há a  leitura de  um  poema  do  autor  escolhido  e do   texto  que compõe  o artigo publicado.  O  autor  de hoje,  a pedido  de  meu  amigo  Lourival  Santos,   é   Cruz  e  Sousa e o poema lido é Tristeza  do   Infinito.

 João da  Cruz  e  Sousa nasceu   em   1861 na cidade de   Desterro  (atual   Florianópolis) e faleceu   aos 38 anos,  em Minas Gerais, vitimado por tuberculose.   Filho  negros  libertos, foi  criado, após  a  morte destes , pelo  Marechal Guilherme  Xavier  de   Sousa.  Após  a  morte  de seu tutor,  abandonou os  estudos e  pôs-se  a  escrever  crônicas  abolicionistas.  Sua luta  contra  a  escravidão  intensificou-se  após  ter  sido  impedido de   assumir  um  cargo  na cidade  de  Laguna.  Mudou-se para   o  Rio de  Janeiro,  em   1890,  e nesta cidade  passou   a   colaborar no  jornal   Folha  Popular com  B. Lopes e  Oscar   Rosas – surgia, então,  o   primeiro   grupo  simbolista    brasileiro. Suas   obras Missal Broquéis (1893) são consideradas    um   marco  da   obra    simbolista  no Brasil. O Simbolismo  foi um   movimento  literário que se   oficializou  em 1886 com  a   publicação de  um  manifesto  escrito  por Jean  Moréas e cuja   origem  está  nos  escritos de Charles  Baudelaire e  Paul  Verlaine.  O termo  simbolista   substituía   a expressão  Decadentismo, utilizada  para nomear tendências   poéticas de   base  positivista e anti-naturalista.

 

Referências eletrônicas e bibliográficas:

BOSI, Alfredo.  História   Concisa da  literatura  brasileira. 33.ed. São  Paulo:   Cultrix,  1996.
CRUZ E  SOUSA, João da. Tristeza  do Infinito.  Disponível em:  http://www.revista.agulha.nom.br/csousa15p.html . Acesso em  20/08/ 2009.

Andréa Motta

Professora de Língua Portuguesa e Literatura no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro. Professora voluntária de Língua Portuguesa e Redação no Pré-vestibular Comunitário Padre José Maurício Nunes Garcia.

Comentários

  1. Oi, Andrea! Recebi um selo da Míriam Fajardo e estou difundindo por aí.

    Você é minha indicada. Vá até o meu blog e veja. Também deverá indicar 10 blogs para receber o selo.

    Um grande abraço,
    Prof_Michel

    Ps: Gostei do player do podcast 😉

  2. "Olá colegas,
    Deixo aqui a divulgação da Primeira Olimpíada Nacional em História do Brasil, iniciativa inédita no país, organizada pelo Museu Exploratório de Ciências da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), com o apoio do CNPq. A Olimpíada é para escolas públicas e particulares e acontece pela internet, com equipes formadas por estudantes do oitado e nono anos do ensino fundamental e por estudantes do ensino médio, juntamente com seu professor. As inscrições já estão abertas!
    http://www.mc.unicamp.br
    Obrigado"