Se não ou senão – a pergunta do leitor

 

Uma leitora  enviou  duas  perguntas ao  blog: “Quando  usar  se não ou  senão? E quando   usar  nem um e  nenhum?”. 

Vejamos, então, os exemplos:

 

1. ” Se não encontrar  você, deixarei  os  livros  com sua irmã!”.

2. “Deixe um recado para  mim, senão  esquecerei  os   livros em  casa.”


No exemplo 1, temos  uma conjunção que indica uma  condição seguida de um advérbio de  negação. Isto significa que  a condição  para  não  deixar  os   livros com “a  irmã” é não  encontrar  a  pessoa  com que o  falante fictício  está conversando.


No exemplo 2,  temos  uma conjunção que  pode  assumir  diversos valores  gramaticais:


 

  •  “Não mexa no vidro, senão quebra.”
  • “Vá  logo, senão perderá o ônibus” ( podendo ser  substituída por  OU)
  • “Todos  estiveram  presentes, senão  Maria” (uso  raríssimo, em que  esta conjunção  substitui  a palavra denotativa  de  exclusão
  • “exceto”).

Senão” pode ser  usado, ainda, como  um substantivo  masculino: ” Tudo  o que  você  me disse tem  apenas  um senão…” ( ou seja,  apenas  um “problema”). Quanto a  “nem um ” e  “nenhum“, também  temos aqui   dois usos  diferentes.

1.  Nem um dos dois   irmãos  compareceu à festa dos tios.
2.  Nenhum  irmão compareceu à festa dos  tios.

No exemplo  1, temos  uma  conjunção ( a mesma que usamos em expressões  como ” nem eu nem você”), seguida de um numeral. No exemplo 2,  temos   um pronome  indefinido, que poderia  até ser substituído  por “ninguém” ( Ninguém  foi…).

 

 

Para  enviar suas  dúvidas sobre língua portuguesa para  este blog,  basta preencher o   formulário de contato , fornecer um email válido e  enviar sua dúvida; se possível, envie uma   frase para  exemplificar melhor  o que   deseja  saber.  Assim que o texto for publicado, eu enviarei  uma  mensagem com  o link. 

 

 

Andréa Motta

Professora de Língua Portuguesa e Literatura no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro. Professora voluntária de Língua Portuguesa e Redação no Pré-vestibular Comunitário Padre José Maurício Nunes Garcia.

Comentários